fechar× Entre em contato (71) 3565-5583/ Whatsapp (71) 98193 4241

Fraude financeira é a principal ameaça cibernética no Brasil

A empresa de cibersegurança, Fortinet, apresentou durante a edição 2018 do Fortinet Cybersecurity Summit (FCS) os dados de uma pesquisa exclusiva realizada pelo FortiGuard, laboratório de inteligência de ameaças da companhia que coleta e analisa informações sobre incidentes em mais de quatro milhões de dispositivos de segurança em todo o mundo. De acordo com o levantamento, a maioria das empresas no Brasil foi alvo de algum tipo de ataque relacionado à fraude financeira.
A pesquisa revela que as ameaças são extremamente elaboradas e algumas delas contam com campanhas de phishing malspam e engenharia social, além de diversas técnicas para evitar defesas de antivírus. Esse tipo de descoberta de malware, como visto pelos sensores Fortinet, ficou em primeiro lugar no Brasil com 17,64% de detecções.
Em segundo lugar, com 14,31%, estão as detecções relacionadas ao criptominerador CoinHive, colocando o Brasil em terceiro lugar no mundo, acima da média mundial de 8,25%. O malware de criptomineração também apresenta uma diversidade incrível para uma ameaça relativamente nova. Os cibercriminosos estão almejando vários sistemas operacionais e diferentes criptomoedas, incluindo Bitcoin e Monero.

Nova e sofisticada rede zumbi ataca dispositivos IoT

Ao longo deste ano, cresceram as variantes de redes zumbis Mirai e Qbot, uma vez que o código-fonte da Mirai vazou na internet. Recentemente, um grupo de pesquisadores da Avast, líder global em produtos de segurança digital, analisou uma nova e sofisticada rede zumbi, chamada Torii, que usa técnicas mais avançadas e tem como alvo uma ampla gama de dispositivos IoT (Internet das Coisas).
Ao contrário de outras redes zumbis de dispositivos IoT, a Torii procura se esconder e manter-se viva depois de infectar os dispositivos. Ela (ainda) não faz ataques DDoS comuns nas redes zumbis, nem ataca todos os dispositivos conectados à internet e nem mesmo minera criptomoedas.
Ao invés disso, a Torii rouba informações confidenciais dos dispositivos infectados e, devido a sua arquitetura modular, é capaz de buscar e executar outros comandos avançados. Tudo isso escondido por trás de várias camadas criptografadas. A Torii pode infectar uma ampla gama de dispositivos e arquiteturas, incluindo MIPS, ARM, x86, x64, Motorola 68k, PowerPC, SuperH e outros.
Para mais informações, acesse: https://blog.avast.com/pt-br/nova-e-mais-sofisticada-rede-zumbi-torii-ataca-ampla-gama-de-dispositivos-inteligentes
  Leia a revista
Redação, 24.OUTUBRO.2018 | Postado em Segurança

Carregando...