REALIDADE AUMENTADA


25/10/2016 |

Salvador, capital da Bahia, cidade turística que contrasta o tradicional com a tecnologia. Estamos no centro empresarial de uma das avenidas mais movimentadas da capital baiana, onde os prédios altos e imponentes abrigam, dentre os diversos profissionais, especialistas da área de TI. Não muito distante daqui, existem escolas de fomento à pesquisa no setor de tecnologia e inovação. Passamos por portarias com sistema inteligente de acesso, pegamos elevador cujo andar é mencionado por uma voz eletrônica e andamos por corredores onde as lâmpadas acendem e apagam sozinhas. Sem perceber, lidamos com tecnologias que, até um certo tempo, seriam abordadas, por muitas pessoas, como algo "futurístico". No entanto, estamos falando de uma realidade. E qual será o próximo passo rumo à evolução?
Vivemos o tempo da Internet das Coisas, das Smart Cities, dos Escritórios Inteligentes, e estamos nos lançando na Realidade Aumentada (R.A.), que só agora vive o seu auge, acompanhando a fama do jogo Pokémon Go. A Realidade Aumentada é uma área de conhecimento que promete se tornar uma ferramenta muito útil em diversos segmentos. Atualmente, o mercado publicitário é o maior consumidor dessa tecnologia, de acordo com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), e a tendência aponta para outros possíveis mercados em expansão, com aplicações médicas, no esporte, na educação, cultura e infraestrutura, por exemplo. A área é vasta para novos equipamentos, software de desenvolvimento e novas aplicações em campos diferentes, visando melhorar o nosso dia a dia.
Embora a primeira experiência com a Realidade Aumentada date de 1968, em um livro de ficção, o desenvolvimento da tecnologia exigida pelos sistemas de R.A., entretanto, ainda está em curso nos laboratórios de universidades e empresas. "A realidade aumentada contribui para maximizar a interatividade, confiabilidade e atratividade. Com ela é possível melhorar desde um curso primário, trazendo as crianças para um ambiente mais interativo, atrativo e lúdico, até um treinamento com alto grau de complexidade, através de simulações de equipamentos e manipulação muito próximas aos do mundo real", pondera o professor e Doutorando em Modelagem Computacional na área de Realidade Aumentada, Fábio Britto.
Para o professor, a euforia pela R.A. não é passageira. "Essa tecnologia tende a revolucionar o cotidiano das pessoas e empresas de forma perene", defende ele. Apesar dessa grande relevância ter sido evidenciada somente agora, essa tecnologia já era utilizada há muito tempo, mas sem a definição científica de Realidade Aumentada. Fábio explica que, há algum tempo, quando assistíamos aos jogos de futebol na televisão, nas cobranças de falta, já víamos, virtualmente, qual era a distância mínima que a barreira tinha que ficar da bola. "O que aconteceu é que, recentemente, muito por conta da explosão do jogo Pokémon Go, as pessoas começaram a entender o que é e qual a aplicabilidade da Realidade Aumentada", argumenta.
De acordo com o professor, por fazer parte de uma área transversal, que é a computação, esse tipo de tecnologia pode contribuir significativamente em diversos setores. "Entretanto, atualmente, pela grande quantidade de possibilidades, acredito que o setor mais promissor é o industrial, mais especificamente na manutenção, localização e identificação de peças e componentes. A Realidade Aumentada aplicada a esse setor permitirá o aumento da produtividade, precisão, confiabilidade e a redução efetiva de custos. Atualmente esse setor é chamado pelo termo Indústria 4.0", explica.

"Essa tecnologia tende a revolucionar o cotidiano das pessoas e empresas de forma perene" (Profº Fábio Britto)

Aplicações da R.A. O Sebrae aponta a publicidade como maior consumidora da Realidade Aumentada (R.A.), mas outros setores vêm utilizando essa tecnologia para os seus produtos, como é o caso da empresa Papel e Estilo, que adaptou os tradicionais convites de casamento com a Realidade Aumentada. Assim, através do convite impresso, o convidado pode visualizar o vídeo gravado pelos noivos. Com a R.A., é possível transformar a imagem do casal em um vídeo, som ou animação em 3D.
E se você pudesse ver como ficará um móvel na sua casa, antes de comprá-lo? Essa é a ideia da Ikea, que desenvolveu um aplicativo com a R.A. para o seu catálogo impresso. Através do aplicativo, ao ler o catálogo, o usuário se depara com um item que gosta e o posiciona em algum local da casa, para visualizar como o móvel deve ficar no local.
Em maio deste ano, o grupo Abril aderiu ao uso da Realidade Aumentada nas suas revistas. "Por meio do aplicativo Blippar, o leitor terá acesso a outra realidade - a aumentada. Funciona assim: ao apontar a câmera de um smartphone ou tablet para as páginas que contenham o ícone do MV, de Mobile View, como VEJA batizou o novo recurso, o leitor vai deparar com um conteúdo virtual na tela do aparelho", divulgou a editora em sua página. A Educação também é beneficiada. O Serviço Nacional de Aprendizagem (Senai) é um exemplo de instituição que vem investido na educação aliada à tecnologia da Realidade Aumentada (RA). O Senai adota a R.A. em seu material didático. Com isso, estudantes de cursos técnicos em todo o país utilizam aplicativos desenvolvidos para ajudar no ensino em sala de aula e em cursos a distância. Dessa forma, o aluno aponta a câmera do celular para o livro com a realidade aumentada e vê figuras projetadas em 3D. Já o Laboratório de Desenvolvimento de Software do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (Ifba) tem um projeto de Realidade Aumentada para Deficientes Auditivos no Ensino - Aprendizagem. "Através de marcadores e câmeras web, os alunos poderão visualizar animações autoexplicativas dos principais temas e assuntos de várias disciplinas, gerando, assim, condições qualitativas ao seu entendimento e aprendizado. As imagens serão capturadas, em tempo real, na forma de vídeo, com a utilização de câmeras comuns", explica a nota na página do laboratório.
Na indústria e engenharia, já é possível acompanhar o desenvolvimento de uma obra apontando o tablet e vendo a construção no futuro, de forma virtual. Além disso, a Realidade Aumentada deve ser implantada, cada vez mais, em manuais de carros. Trabalhadores da indústria automobilística já tem a possibilidade de usar essa tecnologia na área de design de produtos. A General Electric (GE), por exemplo, já está testando o recurso como uma forma de facilitar inspeções em plantas industriais no Brasil. A empresa fez seu primeiro teste em uma plataforma de petróleo e os engenheiros responsáveis, em vez de lerem manuais e guias para a inspeção, passaram a apontar a câmera de um tablet para os equipamentos, como se estivessem filmando-os. Também tem novidades na saúde. No Ifba, há um projeto envolvendo a Realidade Aumentada aplicada à Bioengenharia Crânio-Facial, cujo foco é a criação de um modelo computacional para a visualização de dados médicos, como exames ou próteses, compostos com a imagem em tempo real do paciente. Para isso, técnicas de Visão Computacional deverão ser aplicadas na etapa de captura e técnicas de Realidade Aumentada nas etapas de registro e composição dos dados. Tal modelo deve ser capaz de: a) identificar a face do paciente em um fluxo de vídeo b) compor, em tempo real, os dados médicos a serem analisados a esse fluxo de vídeo c) acompanhar os movimentos do paciente mantendo consistente a composição do fluxo de vídeo e dos dados médicos. Em março deste ano, a Microsoft apresentou, oficialmente, o HoloLens, óculos de realidade aumentada. A empresa demonstrou como o HoloLens é útil para estudantes de anatomia, por exemplo, que, com esses óculos, podem ver os órgãos do corpo humano em 3D. ".atualmente, pela grande quantidade de possibilidades, acredito que o setor mais promissor é o industrial, mais especificamente na manutenção, localização e identificação de peças e componentes." (Profº Fábio Britto)

STARTUPS
No Brasil, algumas Startups estão aproveitando a era da Realidade Aumentada para desenvolver estudos e projetos nessa área. Confira alguns exemplos:
Digital Illusions
Essa Startup é desenvolvedora do aplicativo Ar.on, que adiciona, a objetos, novas possibilidades de interação e conteúdo. Assim, por exemplo, é possível que uma propaganda em uma revista se torne uma nova plataforma interativa com o consumidor. No seu modelo de negócio, o usuário instala, gratuitamente, o aplicativo, enquanto as empresas que queiram incluir uma interação no seu produto ou serviço precisam contratar a Startup.
Eruga
Startup que trabalha na área de educação. Por meio de um dispositivo, que pode ser um smartphone, tablet ou smart glass, o aluno aprende em um livro didático interativo e em três dimensões.
Metaio
A empresa, que surgiu em 2003, ficou conhecida por grandes projetos de Realidade Aumentada, como um site para a Ferrari em que o cliente faz um tour virtual em um dos carros da marca e um aplicativo para turistas que visitam Berlim. A startup foi comprada pela Apple, para desenvolver seus próximos lançamentos usando a tecnologia. RApp39s Studio
Incubada no Incubatep, no Instituto de Tecnologia de Pernambuco, essa Startup desenvolveu o projeto EducAR, jogo educacional baseado na tecnologia de Realidade Aumentada. Até o Snapchat A concorrência entre o Instagram e o Snapchat não deve parar tão cedo. Desde que o Instagram assumiu que copiou a ideia das Stories, publicações que somem após 24h, do "Snap", desenvolvedores deste aplicativo vêm formulando uma ideia para se sobressair ao "Insta". De acordo com o site Tecmundo, a empresa estaria focada em desenvolver produtos relacionados à Realidade Aumentada. Ainda segundo o site, o Snapchat está com profissionais da área e aquisições de softwares de R.A., em sua equipe. Em março deste ano, ex-funcionários da Nokia e Logitech reuniram-se em um projeto secreto capitaneado pelo Snapchat. O que chamou a atenção é que os profissionais presentes no encontro têm ligação com desenvolvimento de hardware, especialmente na área de wearables (dispositivos "vestíveis", como óculos de Realidade Virtual ou Aumentada). Ainda de acordo com o Tecmundo, fontes envolvidas com diversos fabricantes de dispositivos vestíveis confirmaram o contato do Snapchat com a intenção de desenvolver protótipos de um headset. No entanto, não há, ainda, confirmação oficial do Snapchat sobre o assunto.

Matéria de capa
Cibercrimes
Matéria de capa
Realidade Aumentada
Matéria de capa
Arte e Tecnologia
Matéria de capa
Tendências de TI para 2017
Matéria de capa
Nuvem vs. Servidor Próprio
Matéria de capa
Mulheres em TI
Matéria de capa
Máquinas Pensantes
Matéria de capa
IoT no Brasil
Matéria de capa

Proteja seu filho nesta volta às aulas com Norton Security