IOT NO BRASIL


31/5/2016 |

Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) pode ser considerada um dos fatores mais importantes para as profundas mudanças no mundo e, com a dinâmica da inovação, torna-se imprescindível para a economia global e seu desenvolvimento. É a partir de meados da década de 80 que a produtividade, a inovação e os avanços tecnológicos passam a ser vistos como as forças motrizes do desenvolvimento econômico. 

A interação entre a sociedade e os meios também é outro fruto das TICs e está cada vez mais dinâmica em função das inovações tecnológicas. E a Internet das Coisas (em inglês, Internet of Things-IoT) está, aí, para provar isso. 

IoT é o termo utilizado para designar a conexão inteligente em itens usados no dia a dia. Se antes era coisa de filme ter uma geladeira que avisa quando está ficando vazia e manda mensagem para o dono, agora é real. E mais: cortina programada para abrir ou fechar automaticamente lâmpada que acende ou apaga quando acionada pelo celular relógio que atende ligação e por aí vai. A agricultura, política, saúde e outros setores também são beneficiados. 

A Internet das Coisas está em transição de um mero conceito acadêmico para a realidade empresarial, de acordo com um artigo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Nem todo mundo sabe, mas a Internet das Coisas divide-se em Verticais e Horizontais. As verticais são compostas por setores como saúde, agricultura e indústria, enquanto que as Horizontais são os suportes que auxiliam no desenvolvimento das Verticais, por exemplo: softwares, sensores e medidores.

O Brasil é, atualmente, o sexto maior mercado de Tecnologia da Informação (TI) do mundo, com um mercado interno que movimentou, em 2015, cerca de R$ 282 bilhões, de acordo com dados da empresa de consultoria International Data Corporation (IDC), resultado que equivale a 4% do Produto Interno Bruto brasileiro.

No último dia 29 de abril, foi inaugurado o laboratório de Internet das Coisas da Ericsson, em Indaiatuba (SP). Durante a inauguração, o Ministro das Comunicações, André Figueiredo, garantiu que o país será protagonista neste setor a partir dos incentivos do governo federal.

O novo espaço visa facilitar a cooperação do Ministério das Comunicações com empresas, universidades, fornecedores e agências de desenvolvimento para a criação de soluções integradas que gerem benefícios sociais para a população brasileira, tanto do meio urbano, quanto rural. 

Em Campinas, também em São Paulo, empresas se uniram para lançar o laboratório colaborativo multissensorial de Internet das Coisas, o Tech Experience Network (TeN), que deve funcionar no polo tecnológico do município. O espaço veio para unir grandes corporações, startups, empresas de tecnologia, pesquisadores, agências e profissionais de diversas áreas em um ambiente de experimentação, orientado a gerar transformação de negócios. 

Para o diretor do Núcleo Softex Campinas e um dos coordenadores da rede, Edvar Pera Junior, o TeN vai unir áreas diversas como Engenharias, Marketing, Química, Biologia, dentre outras, gerando resultados inovadores. "O espaço em Campinas, primeiro da rede, contará com toda a infraestrutura para o desenvolvimento de projetos, através de um modelo que reduz riscos de investimento e promove a aceleração do ciclo de inovação, explica Pera Junior.

Além de empresas, profissionais, estudantes e pesquisadores também podem fazer parte da rede TeN e contarão com o auxílio de toda a estrutura física, insumos, tecnologias e ferramentas presentes no laboratório. 

PIONEIRISMO COM O 5G

Durante a inauguração do espaço da Ericsson, o Ministro das Comunicações ressaltou os avanços conquistados na área do 5G, onde o Brasil assinou um acordo com a União Europeia para integrar a expansão da rede de internet móvel de alta velocidade. "Essa tecnologia está diretamente integrada com a Internet das Coisas. Atuar nesses dois campos, desde o início, ratifica o pioneirismo nacional e a capacidade dos brasileiros", afirmou o Ministro André Figueiredo. 

O 5G é a base para a Internet das Coisas e, por isso, é a próxima etapa de desenvolvimento da telefonia móvel. Ele é um conjunto de tecnologias que promete criar uma rede de transmissão muito mais veloz e de melhor qualidade que a atual. 

Sobre os diversos centros de excelências para inovação espalhados por todo o país, o Ministro das Comunicações, André Figueiredo, exalta a unidade da Universidade Federal do Ceará (UFC) como destaque entre os parceiros que vêm ajudando a desenvolver a IoT no país. "Isso mostra que o desenvolvimento do conhecimento não está mais limitado ao Sudeste. Essa nação integrada é uma realidade que segue evoluindo exponencialmente desde a última década", disse o Ministro. 

A UFC também foi mencionada positivamente pelo diretor de Inovação da Ericsson, Edvaldo Santos. "O pesquisador brasileiro é inovador, criativo, orientado para resultados. É um exemplo para o resto do mundo. Na UFC, desenvolvemos o 5G com todo o potencial", reforçou Edvaldo Santos. 

Para incentivar a capacitação de recursos humanos, fomentar a geração de empregos e promover o acesso de pequenas e médias empresas a recursos de capital, foi lançado no último dia 5, no auditório da Universidade Federal do Ceará, pelo Ministro das Comunicações, o projeto Plataforma IoT para a 'Internet das Coisas', desenvolvido pelo Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel). 

A Plataforma IoT na UFC tem como objetivo desenvolver tecnologias destinadas a aplicações em Cidades Inteligentes, com foco em mobilidade urbana, saúde e segurança pública, dentre outros segmentos. A previsão de duração do projeto é de três anos, com orçamento de R$34,8 milhões, oriundos do Funttel.

"O pesquisador brasileiro é inovador, criativo, orientado para resultados. É um exemplo para o resto do mundo. Na UFC, desenvolvemos o 5G com todo o potencial" Edvaldo Santos

RECIFE GANHA LABORATÓRIO VOLTADO PARA

A IoT Muitos olhares atentos e curiosos se voltaram ao Parque Tecnológico Porto Digital, em Recife, onde foi inaugurado, no último dia 17, o Laboratório de Objetos Urbanos Conectados (L.O.U.Co). O ambiente, proposto pelo Porto Digital e financiado pela Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (Facepe), está instalado no Portomídia e deve funcionar com o propósito de projetar o futuro das cidades. O espaço é voltado para a criação de protótipos e teste de produtos e serviços em Internet das Coisas, com foco no bem-estar das cidades e na geração de novos negócios inovadores. 

O laboratório que começa a funcionar em caráter experimental atenderá a faculdades, escolas, instituições técnicas, empresas do ecossistema do Porto Digital, estudiosos e demais interessados. "Nossa proposta é reunir equipes interdisciplinares compostas por empreendedores, pesquisadores e estudantes, tanto do ramo de TIC quanto de Engenharia Eletrônica, além de profissionais criativos de áreas como Design, Arquitetura e Urbanismo", enfatiza o consultor de tendências do Porto Digital, Jacques Barcia. De acordo com Barcia, a expectativa é de que esses times criem e desenvolvam soluções que melhorem a vida das pessoas nas cidades e tenham o potencial de tornarem-se negócios de escala global. 

FACULDADE BAIANA INVESTE NA IoT PARA A AGRICULTURA

Em Salvador, a área de Microeletrônica da Faculdade Senai Cimatec, bem reconhecida pelo ensino na área de tecnologias, vem utilizando a IoT na construção de sensores inteligentes para monitorar a temperatura e umidade do ar. Atualmente, o Senai Cimatec desenvolve trabalhos voltados para a agricultura através da Internet das Coisas. Além disso, a instituição também possui equipamentos para investir na automação de residências inteligentes visando à segurança do imóvel do imóvel. 

Embora haja tanto esforço para colocar o país em um patamar de destaque com o desenvolvimento da IoT, há dificuldades para a realização e não são poucas. "Investimento capacitação do capital humano financiamento e desenvolvimento da indústria local são os principais desafios", afirma a gerente de Relações Institucionais na Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), Kátia Souza. 

Muito ainda precisa ser feito para consolidar a comunicação inteligente de máquina para máquina. Para o Sebrae, o maior desafio é a conexão entre objetos e uma rede externa onde eles possam buscar dados para potencializar sua funcionalidade. 

Com o investimento na Internet das Coisas, as expectativas são positivas para a geração de emprego, segundo a gerente de Relações Institucionais da Brasscom. Isso porque, embora a IoT traga mudanças em algumas funções humanas que deverão ser automatizadas, muitos profissionais vão precisar ser contratados para atender às demandas de criações dessas novas tecnologias. 





Matéria de capa
Cibercrimes
Matéria de capa
Tendências de TI para 2017
Matéria de capa
Realidade Aumentada
Matéria de capa
IoT no Brasil
Matéria de capa
Mulheres em TI
Matéria de capa
Máquinas Pensantes
Matéria de capa
Nuvem vs. Servidor Próprio
Matéria de capa
Medida Provisória 774
Matéria de capa
Arte e Tecnologia
Matéria de capa

Proteja seu filho nesta volta às aulas com Norton Security