BANDA LARGA: AVANÇOS E DESAFIOS NO BRASIL


5/7/2016 |

Já imaginou a sua vida hoje sem internet?

Para quem nasceu depois dos anos 90 isso é praticamente inviável.
A impressão é de que só havia dinossauros antes da internet. Imagine agora, quem está nascendo nesta época, justamente quando a rede está consolidada e faz refém toda uma população global? Parece ruim? Mas não é. Essa
dependência é necessária e imprescindível para facilitar a realização das tarefas mais simples do cotidiano, como pagar contas, contactar a
família, realizar negócios e muitas coisas mais. Estar conectado hoje é uma ordem! E, claro, quanto mais se avança na tecnologia, mas exigente fica o mercado, e o consumidor, que comemorou, em maio deste ano, os 20 anos da
internet comercial clamando por melhor velocidade e infraestrutura da rede.

No Brasil, a média de velocidade de banda larga é de 3 Mpbs. Essa variação nos faz ocupar a 89ª taxa de download mais rápida do mundo, atrás de Iraque, Kwait e Sri Lanka, conforme relatório publicado pela Akamai, empresa de
referência na área. Ou seja, a banda larga brasileira está muito aquém do desejado. Por isso, o governo federal criou o Projeto Banda Larga para
Todos, que está para ser lançado, embora ainda não tenha data definida. De acordo com informações do Ministério das Comunicações, a iniciativa
é para melhorar a velocidade e expandir a banda larga no país, e também dar um salto nos acessos, já que prevê aumento da velocidade média das conexões à internet para 25 Mbps, segundo informações do MiniCom.

Portanto, para que o projeto seja possível, o governo busca investimentos públicos e privados em fibras ópticas nas redes de transporte de dados, que levam capacidade de conexão dos municípios e nas redes de acesso, que
vão diretamente à residência. Há ainda investimentos em inovação sendo feitos, por meio do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel - fundo de natureza contábil, com o objetivo de estimular o processo de inovação tecnológica, incentivar a capacitação de recursos humanos, fomentar a geração de empregos e promover o acesso
de pequenas e médias empresas a recursos de capital, de modo a ampliar a competitividade da indústria brasileira de telecomunicações, nos termos do art. 77 da Lei n° 9.472, de 16 de julho de 1997). Um desses projetos em desenvolvimento é o Chip Fotofônico (tecnologia que recorre a elementos de luz para transmitir informações), que aumentará a velocidade da internet de fibra óptica.

No Nordeste, por exemplo, como diz o presidente do Instituto de Tecnologia em Informática do Estado do Alagoas - ITEC, Jorge Almeida, existe uma carência da população por serviços básicos, causada pela pobreza de boa parte da região. "Por isso, a democratização do acesso é um grande desafio. Não me refiro ao acesso gratuito, mas ao acesso de boa qualidade e com preço justo
que possa fazer parte do orçamento familiar sem ter que disputar com outros gastos mais prementes, como saúde e educação", observa.

Segundo Almeida, houve um aumento da quantidade de acessos à banda larga no Brasil: cerca de 7,2 % considerando abril/2014-2015 (fonte: telecom.com.br). "Isso demonstra que o mercado ainda apresenta demanda para este tipo de serviço". Em Alagoas, segundo dados do IBGE, 31,2% dos domicílios particulares permanentes utilizaram internet em 2013, sendo 65% destes por banda larga fixa e 53,5% por banda larga móvel (observe-se que, em vários domicílios, foram utilizados ambos os meios para acesso à banda larga). "As
operadoras de Telecom têm se esforçado muito para manter os acessos fixos em operação, porém a migração para o uso da banda larga móvel tem
se tornado cada vez mais atraente, principalmente sob o ponto de vista da flexibilidade do local de uso e compartilhamento da franquia de dados com outras pessoas, tornando o valor pago menos oneroso para o contratante", disse o presidente do ITEC.

Em Alagoas, as grandes operadoras do mercado de banda larga fixa fornecem uma cobertura muito concentrada na capital, deixando o interior para ser explorado pelos provedores locais que, por sua vez, aumentam consideravelmente a penetração e fornecem serviços de boa qualidade a preço justo. "O governo do estado de Alagoas vem, ao longo dos últimos anos, empenhando-se em facilitar o acesso à banda larga no Estado por meio de sua Infovia, aliado à programas de acesso em Escolas Estaduais e Telecentros, e estuda a oferta de pontos de acesso à internet para uso livre e gratuito
em espaços públicos de grande circulação, como praças, parques e rodoviárias", disse Almeida. 

Da mesma forma ocorre no Piauí, cuja capital tem uma infraestrutura de fibra ótica razoável, enquanto o interior do estado tem muita carência. Conforme o diretor geral da Agência de Tecnologia da Informação do Estado do Piauí, Avelyno Medeiros, o acesso à banda larga no Piauí divide capital e interior. Em
Teresina, segundo ele, existe uma internet com boa velocidade nas áreas comerciais localizadas, majoritariamente, no Centro, Zona Leste e nos bairros com classe econômica mais elevada. No interior, no entanto, a situação é bem
diferente. "Menos de um terço das residências possuem conexão e, em muitos municípios, o que há disponível não podemos classificar, atualmente, como banda larga", diz.

Polo tecnológico
No início de 2004, sob a gestão do governador Wellington Dias, foi elaborado um estudo por um consultor do Porto Digital de Recife (PE) para a implantação do Polo Tecnológico do Piauí. Nos anos seguintes, surgiram projetos, a exemplo do Cuia e do Projeto Lagoas, coordenados por José Bringel Filho,
professor da Universidade Estadual do Piauí que recebeu apoio governamental por meio da Agência Estadual de Tecnologia da Informação (ATI). Já em 2015, o empreendimento foi retomado através de um fórum coordenado pelo Secretário Estadual de Administração, Franzé Silva, que reuniu a ATI,
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapep) e Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Tecnológico (Setre), além do setor privado.

De acordo com Medeiros, essa iniciativa foi baseada em três pilares: governo, academia e empresariado, o que possibilitará a evolução de tecnologias
e políticas públicas, potencializando o desenvolvimento intelectual e econômico do Piauí. Sem falar sobre valores, o diretor do ATI disse que o benefício
gerado ao âmbito intelectual torna este empreendimento intangível, "tamanha é sua importância na atual era do conhecimento. Através da internet, tornou-se possível a troca imediata do conhecimento de forma globalizada. Como exemplo, podemos citar os esforços do governador Wellington Dias de universalizar o ensino à distância com maior qualidade e integrar a rede estadual de saúde através do uso da telemedicina".

Banda larga móvel
Um grande avanço da internet é a banda larga móvel. Com o advento da telefonia móvel, ficou muito mais barato levar o serviço para todos. Uma torre de celular, por exemplo, com um único rádio (ERB), cobre uma área de até
5km. "É possível colocar muitas pessoas nesta cobertura, desde que o uso do sistema por cada uma delas seja baixo. É comum encontrar telefonia e acesso móvel à internet em qualquer cidade no Brasil (segundo a Telebrasil, 91,5%
da população brasileira já é atendida pela banda larga), mas a questão reside exatamente na velocidade, pois a infraestrutura disponível não é adequada para suportar o tráfego crescente e necessário para o uso de serviços como o vídeo (stream)", diz o Executivo Chefe de Negócios do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (C.E.S.A.R), Eduardo Peixoto.

Para ele, muitos serviços migrarão exclusivamente para a internet, e estarão apenas lá, como jornais, revistas e possivelmente o rádio e a TV. "O custo de distribuição e o alcance são muito maiores e o preço para quem consome é menor. Então, não existe volta. Diante desse cenário, seremos cada vez mais dependentes da internet, e caso ela não avance, pararemos no tempo", completa.

Mas como toda nova tecnologia, existe um tempo de adaptação para que o consumidor conheça e teste o serviço, como ocorre com a banda larga móvel. Há alguns anos, existiam barreiras culturais e técnicas que dificultavam a popularização desse tipo de acesso, assim como a implementação de toda a infraestrutura necessária para a instalação de antenas, de licenças para começar a operar e aprovações ambientais, que levam algum tempo para serem concedidas. Passados estes processos, há, sem dúvida, um crescimento na demanda de lados e preferência dos consumidores por smartphones, segundo pesquisas internas da empresa Claro.

De acordo com o diretor regional Claro Nordeste, André Peixoto, a ampliação
da banda larga depende de esforços do poder público, do setor privado e das
autoridades competentes para a viabilização da instalação da infraestrutura
necessária para oferta dos serviços. De 2012 a 2014, a empresa investiu mais
de R$ 6,3 bilhões em sua rede para oferecer uma boa experiência em internet
móvel aos consumidores. O objetivo da operadora, segundo Peixoto, é expandir
sua cobertura e atender o crescimento urbano do país, para ser referência
em qualidade dos serviços prestados e "proporcionar a melhor experiência aos
seus mais de 71 milhões de clientes". 

Já na Oi, no primeiro quadrimestre de 2015, existem cerca de 91 mil portas de
acesso à internet Banda Larga em todo o país. Em dezembro do ano passado,
de acordo com informações da empresa, a Oi disponibilizou as ofertas do Plano
Nacional de Banda Larga (PNBL) em todos os 4.668 municípios de sua área
de atuação no Brasil. 

O plano, na Oi, oferece velocidade de 1Mbps e custa R$ 35 (preço promo -
cional com desconto de 5,48%), por mês. A velocidade de acesso e tráfego
na internet é a máxima nominal, e pode sofrer variações decorrentes
de fatores externos. Nos estados em que for concedida isenção de ICMS, a
oferta é feita a R$ 29,90 mensais. Em ambos os casos, o cliente não precisa
pagar pelo modem, cedido em regime de comodato.


Matéria de capa
IoT no Brasil
Matéria de capa
Realidade Aumentada
Matéria de capa
Nuvem vs. Servidor Próprio
Matéria de capa
Cibercrimes
Matéria de capa
Máquinas Pensantes
Matéria de capa
Tendências de TI para 2017
Matéria de capa
Arte e Tecnologia
Matéria de capa
Mulheres em TI
Matéria de capa

Proteja seu filho nesta volta às aulas com Norton Security