TRANSFORMAÇÃO DIGITAL


5/6/2017 |

A transformação digital tem o poder de modificar as Tecnologias da Informação e Comunicação das empresas, desde suas estruturas, estratégias, culturas a processos operacionais, utilizando todo o poder que a internet tem para oferecer, de forma a melhorar o engajamento com os clientes digitais e melhorando o alcance e a performance delas. "Segundo pesquisa recente do Global Center for Digital Business Transformation (GC-DBT), feita globalmente, com aproximadamente mil líderes das mais relevantes empresas de 12 setores distintos, apenas 1/4 (25%) destas empresas estão respondendo proativamente no sentido de buscar transformar seus próprios modelos de negócios", cita o consultor de Transformação Digital da Cisco Brasil, Severiano Macedo.

Para o consultor, o poder que o consumidor final vem adquirindo com novos aplicativos e máquinas poderosas (smartphones e tablets), cada vez mais acessíveis, são os principais vetores e, ao mesmo tempo, os sinais mais impactantes e perceptíveis do que ele chama de "Vortex Digital", em que todas as empresas e organizações estão mergulhadas. "Se lembrarmos de que o primeiro I-Phone foi lançado há exatos 10 anos (2007), e pararmos para pensar nos impactos e mudanças comportamentais que surgiram desde então, fica fácil entender o tamanho do GAP tecnológico para aquelas corporações que continuam adotando, até hoje, os mesmos modelos de negócios da década passada! ", compara o especialista.

Perguntado se as empresas estão sabendo usar as estratégias digitais a seu favor, Severiano responde "sim", principalmente aquelas que possuem maior "Digital Business Agility", que nada mais é do que a junção de Hyper-Awareness, Informed Decision Making e Fast Execution, características normalmente encontradas nas novas entrantes - startups - unicorns! Leia a entrevista completa.

VOCÊ ACREDITA QUE A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ESTÁ CAUSANDO UMA VERDADEIRA RUPTURA NAS CORPORAÇÕES? QUAIS SÃO AS MUDANÇAS MAIS SIGNIFICATIVAS APRESENTADAS PARA O MERCADO DE TECNOLOGIA?
O que vem causando ruptura são as inovações. Inovar está ficando cada vez mais barato e mais rápido. Isso possibilita o surgimento de Startups em diversos segmentos e verticais, com alta capacidade de impactar os mercados em que miram seus projetos inovadores e transformacionais. Novos modelos de negócios, baseados em uma combinação de competição por custo, experiência do usuário e plataforma, criam ameaças a setores de negócios plenamente estabelecidos e dominados por corporações tradicionais há décadas. A Transformação Digital das corporações é uma reação necessária a estas ameaças de mercado impostas pelo que a Cisco chama de "value vampire" (ref. Livro Digital Vortex).

As inovações podem afetar setores diferentes de forma distinta, mas na minha visão pessoal, as "plataformas de negócio" são as mudanças tecnológicas mais significativas deste novo Mercado digital, onde clientes finais com alto poder de decisão utilizam de aplicativos e da capacidade de memória e processamento dos atuais smartphones para compartilhar informações, pressionar fornecedores, fazer escolhas e críticas. tudo isso sem sair de casa!

QUAL É O IMPACTO DESSAS TRANSFORMAÇÕES PARA OS NEGÓCIOS DA CISCO?
A Cisco vem buscando fazer sua própria transformação digital, buscando o que chamamos de "business Agility". Paralelamente a este trabalho transformacional interno, a Cisco vem buscando desenvolver parcerias estratégicas com alguns de seus clientes-chave, oferecendo a experiência de seus colaboradores para ajudar e acelerar o processo de transformação digital destes nossos clientes e assegurar não apenas a sua sobrevivência, mas revolucionar a forma como estas empresas se relacionam com seus clientes, colaboradores e fornecedores, bem como, na modernização dos modelos de negócios atuais para plataformas digitais.

Outro vetor de transformação digital é a busca por eficiência operacional, redução de custos e segurança nos processos. Neste último caso, as tecnologias de IoT da Cisco representam alto potencial para agregar valor aos negócios da própria Cisco e, também, de seus clientes.

É A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL QUE TRAZ AS MUDANÇAS OU AS EMPRESAS É QUE PRECISAM MUDAR PARA QUE ELA ACONTEÇA? QUAL DEVE SER A PRIMEIRA ATITUDE DAS EMPRESAS PARA QUE AS ESTRATÉGIAS DIGITAIS SE CONCRETIZEM?
O Termo Transformação Digital normalmente é utilizado para se referir às empresas, e não ao ambiente ou setor que atuam. As inovações e as Startups trazem as mudanças para o mercado e as empresas estabelecidas precisam se transformar digitalmente para ocupar os espaços "Value Vacancies"- termo do livro Digital Vortex - e oportunidades disponíveis para, com isso, bloquear ou impedir que estas novas "entrantes" roubem seus mercados.

Para ter sucesso na implementação de suas estratégias digitais, as empresas precisam buscar um balanço entre Digital Capabilities e Digital Leadership (termos do Livro Leading Digital). De nada adiantaria adotar as mais inovadoras tecnologias se a cultura organizacional e as lideranças corporativas não estiverem preparadas para extrair valor destas tecnologias. Da mesma forma, uma equipe altamente preparada para lidar com as ferramentas digitais também não conseguiria sucesso se não tivesse acesso às tecnologias atualmente disponíveis.

EM 2015, ALGUMAS CRÍTICAS EM RELAÇÃO À TRANSFORMAÇÃO DIGITAL DIZIAM EXISTIR MAIS BARULHO DO QUE AÇÃO, E QUE O SEU CONCEITO NÃO PASSAVA DE ESTRATÉGIA DE MARKETING, NO LUGAR DAS ESTRATÉGIAS DIGITAIS. VOCÊ CONCORDA QUE, NOS DIAS ATUAIS, ESSAS AFIRMAÇÕES AINDA SE APLICAM DE ALGUMA FORMA? AINDA FALTA MAIS "AÇÃO" POR PARTE DAS EMPRESAS, PARA SE INTEGRAR AO MERCADO PÓS-TRANSFORMAÇÃO DIGITAL?
Sim e Não. Temos diversos exemplos relevantes nos dois sentidos. É fato que a maioria das empresas pesquisadas pelo GC-DBT ainda sequer notou que está sendo sugada pelo que chamamos de Vortex Digital. Se pegarmos o exemplar da revista Fortune 500, do ano 2000, notaremos que mais da metade das 500 maiores empresas existentes na virada do milênio, simplesmente deixaram de existir. Ou se fundiram com outras, ou foram compradas ou simplesmente desapareceram do mercado. As severas transformações tecnológicas dos últimos 15 anos são apontadas como as causas principais da mortalidade destas gigantes multinacionais.

Os estudos do GC-DBT apontam que esta tendência está ainda mais acelerada e que apenas nos próximos cinco anos, 40% das atuais incumbentes, líderes de seus respectivos setores, terão destino semelhante. Por outro lado, temos observado o surgimento surpreendente do que chamamos de "unicorns", que no jargão do mercado americano de capitais, representam Startups que conseguiram levantar/captar mais de US$ 1 bilhão para implementar seus planos de negócios. Hoje já temos mais de 180 unicorns e este número cresce a cada dia.

HOJE, A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL É A BASE PARA AS ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS?
Transformação Digital traz tanto ameaças quanto oportunidades. As tecnologias digitais são ferramentas necessárias para que as empresas implementem, de forma eficiente, suas estratégias corporativas. Mas não só de tecnologia vivem as corporações, é necessário o desenvolvimento de "Digital Leadership" para assegurar que o investimento tecnológico gere os resultados de negócios almejados nos planos estratégicos. As corporações podem reagir às transformações do ambiente que atuam e adotar estratégias reativas, ou se antecipar a estas mudanças de ambiente de negócios e adotar estratégias proativas, questionando seus próprios modelos de sucesso que garantiram a sobrevivência e até a liderança de mercado de algumas destas empresas durante anos.

QUAL SETOR ESTÁ SENDO MAIS BENEFICIADO? POR QUE?
Os setores onde "os consumidores" estão sendo mais beneficiados são aqueles onde existiam as maiores ineficiências "value vacancies" e que, portanto, oferecem maior atratividade às novas Startups "value vampires". Podemos citar como exemplo a indústria de músicas, que no passado obrigava os consumidores a pagar por um LP ou CD com 15 faixas, mesmo se o interesse fosse apenas por um dos hits. Napster, ITunes, Pandora, Apple Music, Spotify. transformaram a forma em que se consome música e nós, consumidores, fomos os principais beneficiados. Exemplos como estes existem em diversos setores como de transporte/taxis, de hotelaria, de comércio eletrônico, de mensagens de texto. etc.

As mudanças tecnológicas estão tão significativas, que a própria divisão e definição de setores começam a se tornar uma zona cinza. Se pegarmos a Amazon, por exemplo, percebemos que ela atua em vários setores, passando por comércio eletrônico, produtos e serviços de tecnologia, CPG, Serviços Financeiros e Seguros, educação. o mesmo podemos falar da Apple.

Outro exemplo interessante é a Tesla, que muitos afirmam ser uma empresa do setor automotivo. Mas como explicar que uma empresa que fabrica veículos aos milhares, pode ter um valor de mercado semelhante aos gigantes do setor como Ford e GM que fabricam milhões de veículos por ano? A resposta é que a Tesla também é uma grande fabricante de baterias de alta eficiência e que atua de forma estratégica também no setor de energia. Armazenar energia durante a madrugada e vendê-la de volta ao Grid durante as horas de pico de consumo é um grande negócio. Principalmente em regiões e períodos do ano onde a diferença de preço pode ser de mais de 10 vezes.

QUAIS FORAM AS TECNOLOGIAS OU ESTRATÉGIAS QUE A CISCO DO BRASIL PASSOU A ADOTAR PARA SE APROXIMAR MAIS DE SEUS CLIENTES E NÃO FICAR ULTRAPASSADA NESSE MUNDO CADA VEZ MAIS CONECTADO?
Não há outra forma de se manter relevante para seus clientes e segmentos de atuação, senão com pesados investimentos em inovação. Sejam eles com Pesquisa e Desenvolvimento, como também na própria aquisição de novas empresas. A Cisco possui um histórico recorrente de investimentos de mais de 10% de suas receitas anuais em RD e conta com mais de 19.000 patentes registradas, 170 laboratórios e centros de inovação espalhados pelo mundo todo e com um corpo de colaboradores compostos por mais de 25 mil engenheiros, atuando bem próximo de nossos clientes.

Por isso que, na Cisco, quem dita a direção destes investimentos são nossos clientes. Através de uma rede de parcerias estratégicas com clientes e nosso ecossistema de partners, a empresa vem buscando captar as necessidades e os "business outcomes" requeridos por nossos clientes, para então propor as soluções tecnológicas mais adequadas, ou buscar desenvolvê-las caso considere estratégicas. Para assegurar relevância e efetividade, a Cisco procura atuar, apenas, em segmentos tecnológicos onde acredita poder tornar-se líder de Mercado ou, no máximo, uma segunda posição: Big Data, computação em nuvem, negócios digitais e mobilidade, mídias sociais e tecnologias mobile englobam a Transformação Digital.

Entrevista

Proteja seu filho nesta volta às aulas com Norton Security